Notícias

Avaliação de risco

Pontos de atenção durante a Avaliação de Risco à Saúde Humana

2 de junho de 2021

Avaliar se a contaminação gerada nas suas diversas fases pode ocasionar riscos ao ser humano também é uma etapa obrigatória. As diretrizes dessa avaliação se encontram na Decisão de Diretoria n° 038/2017/C da CETESB.

A Avaliação de Risco à Saúde Humana é uma das etapas do Gerenciamento de Áreas Contaminadas e tem como objetivo caracterizar a existência de risco aos receptores identificados, expostos e potencialmente expostos às substâncias químicas de interesse presentes na Área Contaminada sob Investigação (ACI), bem como avaliar a necessidade de implementar medidas de intervenção – como remediação, controle institucional e de engenharia. 

Procedimentos realizados durante a Avaliação de Risco à Saúde Humana

Essa é uma etapa do Gerenciamento de Áreas Contaminadas que requer atenção, pois precisa seguir uma série de procedimentos. De acordo com a DD-038/2017 da CETESB, é preciso:

  • Identificar as unidades de exposição; 
  • Identificar os receptores humanos considerando o uso atual e futuro da área, em cada unidade de exposição, bem como os receptores que se situam fora da área de exposição, mas que possam vir a ser atingidos em decorrência da expansão da pluma de contaminação; 
  • Identificar as substâncias químicas de interesse em cada unidade de exposição; 
  • Identificar todos os caminhos de exposição presentes e potenciais, atuais e futuros, para todos os receptores em cada unidade de exposição; 
  • Calcular o risco para cada substância química de interesse considerando os diferentes receptores e caminhos de exposição, para cada unidade de exposição; 
  • Calcular o risco total para cada unidade de exposição, por receptor, considerando a soma dos riscos individuais das Substâncias Químicas de Interesse, agrupando-as em função dos seus efeitos carcinogênicos e não carcinogênicos; 
  • Calcular as Concentrações Máximas Aceitáveis para as Substâncias Químicas de Interesse existentes, para cada meio, considerando cada caminho de exposição e receptor identificado; 
  • Apresentar mapas de risco com a indicação dos receptores e dos hot spots; 
  • Apresentar conclusão sobre a necessidade de implementação de medidas de intervenção. 

Por se tratar de um relatório de suma importância e que possui um impacto direto no seu negócio, é fundamental que ele seja realizado por técnicos especializados. Esse documento deve conter uma conclusão que considere todos os níveis aceitáveis e, caso haja necessidade, quais medidas de intervenção devem ser adotadas. 

No relatório de Avaliação de Risco é necessário inserir uma cópia atualizada de todas as matrículas do imóvel onde se localiza a área sob avaliação, e nos casos em que a área do imóvel seja composta por mais de uma matrícula, estas deverão ser identificadas em planta.

A Stricto Soluções Ambientais possui uma equipe pronta para auxiliar o seu empreendimento com todo o processo de Gerenciamento de Áreas Contaminadas, para que você esteja em conformidade com todas as normas e regulamentações. Solicite um contato.